segunda-feira, 22 de maio de 2017

Diretoria da APRODANÇA presente no 
Múltipla Dança


Neste final de semana (20/05) os membros da Diretoria da APRODANÇA se encontraram para acompanhar o trabalho do Grupo Cena 11 Cia. de Dança – na noite de abertura do 10º Múltipla Dança - Florianópolis/SC.


Roberto Skiante – Maxwell Sandeer Flor – Deivison Garcia


O espetáculo "Protocolo Elefante", com a direção e coreografia de Alejandro Ahmed, causou todas as emoções imagináveis em sua excelente dramaturgia. Realmente de tirar folego.


Foto: Cristiano Prim / Divulgação

Protocolo Elefante investiga a ação de afastamento e isolamento do elefante na iminência de sua morte uma metáfora de separação e exílio. Um questionamento sobre o modo como fatores contidos no ambiente ao qual pertencemos (pessoas, comportamentos, línguas, afetos, objetos e dispositivos relacionais de convívio) são afetados quando migramos a sós para um contexto diverso e distante destas familiaridades e simetrias do pertencer.

O acionamento do sentimento de falta, produzido por este encontro assimétrico de identidades, é um importante objeto condutor para algumas perguntas chave que conduziram a pesquisa: o que é pertencer ou necessidade de pertencimento? Qual é a nossa definição de identidade? Ritual de descontinuidade e vestígio, Protocolo Elefante é entender identidade como entropia. É propor um grupo compartilhando a solidão que nos define.


Fonte:

http://multipladanca.wixsite.com/multipla-danca/em-cena

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Múltipla Dança chega à décima edição e abre com novo trabalho do Grupo Cena 11, "Protocolo Elefante"


 "Protocolo Elefante" já estreou em São Paulo e no Rio
Foto: Cristiano Prim / Divulgação

A dança contemporânea rompe com tudo, inclusive com o palco. Ou com a ideia de espetáculo: performance, composição urbana, instalação coreografada — tudo é arte e o criador dá o nome que quiser. Esqueça categorias, afinal arte serve justamente para borrar padrões pré-estabelecidas. Na décima edição, o Múltipla Dança - Festival Internacional de Dança Contemporânea traz para Florianópolis um recorte da produção local e brasileira com apresentações de 11 trabalhos. O evento começa amanhã com a aguardada estreia em Santa Catarina de Protocolo Elefante, nova obra da Cena 11 Cia de Dança. Todas as atrações são gratuitas.

Leia aqui a programação completa do festival

O Múltipla Dança é considerado o mais importante festival da área no Sul do Brasil e é bem possível que em Florianópolis não exista uma consciência clara disso. Por meio de intervenções aparentemente pequenas, o festival evoca uma ação política ao ser viabilizado graças à economia solidária, ao formar plateia com espetáculo infantil e multiplicar espaços e democratizar a arte com apresentações nas ruas do Centro da cidade, no Jardim Botânico e até nas dunas da praia da Joaquina. Tudo de graça. — Dança contemporânea não é uma modalidade de dança, mas um modo de pensar e fazer. É uma atitude em relação ao corpo e a dança — assinala a bailarina, professora e pesquisadora Jussara Xavier, idealizadora do festival junto com Marta Cesar.

Nesse sentido, o festival envolve não só bailarinos de Santa Catarina, Paraná e São Paulo, mas também pesquisadores. Além das apresentações, a semana terá encontros, discussões e espaço de aprendizagem. A diretora da São Paulo Companhia de Dança, Inês Bogéa, é uma das convidadas. E este ano, a homenageada será a escritora, educadora, dançarina e pesquisadora Ida Mara Freire. É um reconhecimento à contribuição da crítica à dança no Estado.

Fonte:

http://dc.clicrbs.com.br/sc/entretenimento/noticia/2017/05/multipla-danca-chega-a-decima-edicao-e-abre-com-novo-trabalho-do-grupo-cena-11-protocolo-elefante-9795645.html


terça-feira, 16 de maio de 2017

 

Formação em Dança para Educadores e Artistas


A dança e suas linguagens estão sendo compartilhadas na Unesc – Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma/SC. Os participantes do curso “Formação em Dança para Educadores e Artistas” deram os primeiros passos para aprender técnicas e linguagens artísticas dos movimentos. O curso possibilita aos artistas e profissionais de dança aprimorem suas reflexões sobre o corpo e suas linguagens.

As aulas levam aos participantes conhecimentos da teoria e da prática, divididos em seis módulos, contam com ensinamentos sobre História do Corpo e da Dança; Estudo de movimento; Preparação do Corpo Cênico; Dança Clássica; Elementos Musicais e Dança Contemporânea; Poética em Cena, e outras manifestações artísticas.




A capacitação foi planejada para contribuir com a formação de quem trabalha ou pretende atuar na educação. O curso é promovido pelo Setor Arte e Cultura e ministrado pela professora Viviane Candiotto (coreógrafa cadastrada pela APRODANÇA).

Os módulos: 4, 5 e 6 acontecerão nos dias 26 e 27 de maio de 2017. Maiores informações sobre o curso pelo e-mail cultura@unesc.net ou pelo telefone (48) 3441-2622.

Fonte: Setor de Comunicação Integrada - UNESC

Campanha de Cadastramento de Sócios

APRODANÇA - 2017


Não estamos sozinhos no mundo, pessoas físicas ou jurídicas nos amparam quando necessário. A APRODANÇA é um grande exemplo de associação que luta para que a existência de estudantes e profissionais da dança, em terra catarinense, seja marcada por uma diversidade de ações e com acolhimento das diferenças!!!

É fundamental que você se associe a APRODANÇA, em 2017, para sermos cada vez mais fortes e que possamos abrir mais espaços para você fazer e viver dignamente de dança. (Elke Siedler, 2017)



Colaboração
Maxwell Sandeer Flor
Presidente da APRODANÇA

sexta-feira, 12 de maio de 2017

“A cultura terá voz na Alesc nos próximos anos”, declara deputada Luciane

A presidente da Comissão de Educação, Cultura e Desporto, deputada estadual Luciane Carminatti (PT), reuniu na última semana representantes de diversos segmentos artístico-culturais para discutir demandas do setor. A parlamentar afirma que pretende conferir à área a atenção merecida. “Este encontro foi o primeiro passo para uma relação mais próxima com artistas, produtores e gestores culturais”, ressalta.
Dentre os assuntos abordados, discutiu-se a necessidade da estruturação do Sistema Estadual de Cultura, a aprovação do Plano Estadual de Cultura e a atualização da lei do Conselho Estadual de Cultura. “Sobre o financiamento, compreendemos ser necessária e urgente uma radical reformulação da lei do Fundo de Incentivo à Cultura (Funcultural) e a recriação da lei do mecenato estadual (renúncia fiscal)”, avalia Luciane.

Além da cobrança pelo cumprimento das leis do Prêmio Elisabete Anderle de Estímulo à Cultura e do Prêmio Catarinense de Cinema - que devem ser realizados anualmente por parte do governo do Estado -, o coletivo também apontou a necessidade de se pensar além dos editais. “Ou seja, para seu efetivo desenvolvimento, a área precisa ter políticas públicas consistentes e duradouras que possam ser monitoradas e aprimoradas. Até porque há uma construção em conjunto com a sociedade civil, em fóruns e conferências, e essas iniciativas estão materializadas no Plano Estadual de Cultura. Falta efetivar as ações”, defende a presidente do Colegiado.

No encontro, os representantes dos segmentos artístico-culturais abordaram a necessidade de regulamentar a lei federal 13.019/14 em âmbito estadual, sugeriram projetos para valorizar a produção cinematográfica e ideias acerca da preservação e conservação do patrimônio cultural catarinense. Também manifestaram preocupação com a extinção, por parte de alguns municípios, de suas fundações e fundos de cultura.
“Dar voz a esta área é fundamental, devido à sua importância enquanto um dos setores mais dinâmicos da economia de todos os países e seu potencial de gerar emprego e renda. É por isso que nos próximos dois anos, como presidente da Comissão, priorizarei a construção coletiva das ações e também de políticas de valorização da cultura em nosso estado”, conclui Luciane.

Ester Koch da Veiga
Assessoria de Comunicação

quinta-feira, 11 de maio de 2017

EDITAL ELISABETE ANDERLE DE ESTÍMULO À CULTURA / 2017


PRÊMIO CATARINENSE DE DANÇA

OBJETO Constitui objeto do Prêmio Catarinense de Dança a seleção pública para premiar projetos cujas finalidades sejam:

a) a circulação;
b) a montagem;
c) a pesquisa;
d) cursos, oficinas, seminários, formação e capacitação;
e) a publicação de livros e periódicos sobre a área;
f) a produção de vídeo de dança;
g) a difusão; e
h) a manutenção de atividades artísticas na área da dança, proposta por artistas, grupos ou companhias com atividades comprovadas de, no mínimo, 2 (dois) anos.

Parágrafo único: Compreendem-se por projetos de manutenção as atividades relativas a apresentações e manutenção do repertório do grupo; qualificação profissional; levantamento e organização de material referente ao grupo, registro de trabalho do grupo; pesquisa e intercâmbio entre grupos e outras atividades que contribuam para fortalecer o trabalho continuado. Não é permitido neste Prêmio o pagamento de gastos com reformas, melhorias ou manutenção de espaço físico utilizado pelo proponente.



PREMIAÇÃO


O valor total destinado ao Prêmio será de R$580.000,00 (quinhentos e oitenta mil reais), cabendo, a cada projeto vencedor, o valor de: 



Saiba mais e se inscreva no site oficial: 





quarta-feira, 10 de maio de 2017

Garopaba em Contato



Garopaba acolhe a Dança Contato Improvisação. A Doutoranda / Pesquisadora de Dança, Ana Alonso, esta organizando o Garopaba em Contato no período de 19 a 21 de maio de 2017. O encontro será na Gaia Village (praia do Ouvidor), Garopaba/SC. Um fim de semana de aulas e Jams focalizando a prática do Contato Improvisação, e com direito a participação especial de Ludimilla Cançado, compartilhando Acroyoga Terapêutico (vôos e Thai Massagem).
Foto: Ricardo Neves e Iris Fiorelli - Festival Em Com Tato (Salvador)

Professores convidados:

Íris Fiorelli

Artista da dança e palhaça formada em Hatha Yoga- Barcelona, 2002 e em Dança Inclusiva para crianças, Buenos Aires, 2009. Cursou Pedagogia pela Universidade PUC de SP, 1995. Nascida em SP, iniciou seus estudos de palhaçaria com Cristiane Paoli Quito, ao mesmo tempo que conheceu o Contato Improvisação (C.I.) com Tica Lemos, ambos no Studio Nova Dança. Nos últimos anos é nômade, ensina Contato Improvisação em intensivos no Brasil, Chile e Argentina e apresenta seus espetáculos.

Ricardo Neves

Pratica Contato Improvisação desde 1997. Dançarino e ator. Criador e intérprete de solos de improvisação. Diretor artístico, atualmente também produtor, do Encontro Internacional de Contato Improvisação de São Paulo (completando a 8ª edição em Janeiro de 2017) e Coprodutor do Encontro Internacional de C.I. em Ilhabela (6ª edição em Fevereiro de 2017) e diversos eventos relacionados ao C.I. Praticante da arte marcial japonesa Aikido, faixa marrom (1º Kyu).

Acompanhe pelo evento do Facebook: Garopaba em Contato 

Colaboração:
Maxwell Sandeer Flor

Presidente APRODANÇA e ASDC – Associação Dança Criciúma